sábado, 22 de agosto de 2015

Opinião | Entre o agora e o nunca - J. A. Redmerski

Olá! Hoje é dia de opinião aqui no blog, já faz um tempo desde que postei a última e confesso que tenho umas quantas em atraso por isso já é mais do que tempo de começar a postá-las.
Este livro andava-me debaixo de olho há um bom tempo e quando o vi a metade do preço no Continente percebi que não podia deixar escapar a oportunidade de o adquirir e ler finalmente. Eu tinha quase a certeza de que iria gostar deste livro, mas também não esperava gostar tanto. 

Título: Entre o agora e o nunca
Autora:  J. A. Redmerski
Editora: Editorial Presença
Edição/reimpressão: 2014
ISBN:  9789722351829
Páginas: 464
Sinopse: "Camryn Bennett decide, com a impetuosidade dos seus 20 anos, abandonar um quotidiano previsível e aventurar-se numa viagem sem destino em busca de si própria. Entra num autocarro de longo curso e deixa-se ir ao sabor do momento. É então que conhece a pessoa que irá mudar para sempre a sua vida - Andrew Parish, um jovem que vive a vida intensamente. O espírito livre e aventuroso de Andrew exerce sobre Camryn um poderoso fascínio e, pouco a pouco, vai quebrando as suas defesas, libertando-a das convenções que a impedem de viver plenamente o presente e expondo os seus desejos mais secretos. Sensual e inspirador, este romance fala-nos do amor, da paixão, do erotismo... e da coragem de vivermos até ao limite sem nos trairmos a nós próprios."


Opinião:  Este livro conta-nos a história da Camryn, uma jovem de vinte anos com uma bagagem de acontecimentos trágicos na sua vida muito grande: o seu namorado morreu num acidente de viação, o irmão foi preso, os pais divorciaram-se e tudo piora quando o namorado da sua melhor amiga, Damon, resolve declarar-se a si. O pior acontece quando Camryn resolve contar o sucedido à sua melhor amiga, Natalie, e esta diz com todas as letras que não acredita nela. 
     Camryn é aquele tipo de rapariga reservada, tímida e com poucos amigos e quando se vê em conflito com a sua melhor amiga fica sem saber o que fazer, uma vez que não lhe resta mais ninguém. Sabem aquela sensação de estar sem rumo? Foi isso que fez com que ela embarcasse numa viagem de autocarro sem destino certo, com o desejo de distanciar-se da sua cidade e daquelas pessoas por um tempo. 
     É nessa viagem que Camryn conhece o Andrew, um rapaz revolucionário, que diz tudo o quer e faz o que quer sem  quaisquer preconceitos. Digam o que disserem, eu adorei ambos os protagonistas: se por um lado temos uma jovem rapariga tímida com receio de dizer e fazer o quer com medo de represálias, por outro temos um rapaz que está sempre à procura de aventura e de algo que apimente um pouco a sua vida, procurando distanciar-se o máximo possível da rotina. 
     Depois de alguns sucedidos nesta viagem onde os dois se conhecem, ambos acabam por embarcar numa road trip. Se antes dessa road trip já somos presenteados com uma amizade forte que se vai construindo aos poucos, então no decorrer da mesma as coisas entre os dois sobem de patamar.      Engane-se quem pense que eles passam de amigos a algo mais do dia para a noite, não mesmo, a autora conseguiu construir isso de forma cautelosa e pura. Isso cativou-me tanto. Eu senti que eles antes de avançarem para algo mais, tiveram momentos puros, momentos em que procuraram conhecer-se um ao outro: as mágoas, os planos para o futuro, os receios, enfim, tudo. 
     Penso que escusado será dizer o quanto adorei a construção da amizade e relação amorosa destes dois, assim como adorei estes dois personagens principais: autênticos e com os quais partilho alguns sentimentos o que me fez com que me identifica-se quase instantaneamente com eles, principalmente com a Camryn que em certos momentos parecia tão eu. 
     E depois aquele final inesperado deixou-me de boca aberta, eu podia esperar tudo menos aquilo. Aquilo foi a prova viva de que devemos aproveitar cada momento da nossa vida, sem medos nem receios e mais não posso dizer. 
     Este livro mostra-nos de forma clara como devemos procurar ser autênticos, fazer o que gostamos e aproveitar todos os momentos que temos porque um dia podemos ser surpreendidos pelo inesperado, mas inevitável. Acima de tudo, devemos ser felizes com as nossas escolhas e decisões sejam elas quais forem. 
     A escrita da autora não tem grandes floreados, mas proporciona-nos uma leitura muito leve e divertida e ela conseguiu transmitir-nos na perfeição os pensamentos das pessoas da idade das suas personagens, sendo que os capítulos estão divididos por pontos de vistas das duas personagens principais e escritos na primeira pessoa. 
     Penso que é claro como a água que eu adorei este livro, ele proporcionou-me momentos de alegria, mas também momentos de agonia pelo que ia ou não acontecer aos personagens, mas tudo está bem quando acaba bem e isso é bem verdade. Uma coisa é certa, este livro deixou-me a pensar em muitos aspetos importantes e isso para mim vale muito e por isso dou-lhe as cinco estrelas. 
     Quanto a vocês, arrisquem e não tenham medo de ser felizes! E se tiverem oportunidade de ler este livro, façam-no porque certamente não se vão arrepender.

"- Só que parar e planear é uma treta - responde. - Se pararmos no passado, não conseguimos andar em frente. Se passarmos demasiado tempo a planear o futuro, empurramo-nos para trás ou ficamos a estagnar no mesmo ponto a vida inteira. - Os seus olhos fixam os meus. - Vive o momento - prossegue, como se quisesse frisar uma questão importante -, quando tudo está certo, anda com calma e limita as más recordações, e conseguirás chegar onde quer que te dirigas muito mais depressa e sofrendo menos solavancos pelo caminho."
Pág: 95

Classificação: 
Playlist: 

Algum de vocês já leu ou pretende ler este livro?

13 comentários:

  1. Então essas férias???

    Fiquei com muita vontade de ler esse livro :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá,
      Correram muito bem estas mini férias, obrigada. :)
      É um livro que vale muito a pena ler, sem dúvida!
      Beijinhos.

      Eliminar
  2. Olá Tânia,
    Tenho este livro na estante e com a tua deliciosa opinião fiquei com vontade de o ler.
    Será certamente uma das próximas leituras.
    Beijinhos e boas leituras.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá,
      Tenho a certeza de que não te vais arrepender de lê-lo, é um livro mesmo bom e diria que ideal para ler nesta altura do ano. :)
      Beijinhos.

      Eliminar
  3. Olá
    Também adorei este livro :) É uma leitura que sabe tão bem!
    Beijinhos e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá,
      É mesmo e lido nesta altura do ano é mesmo muito bom. Adorei! :)
      Beijinhos.

      Eliminar
  4. Olá,
    Ainda não li o livro mas a vontade de o ler tem vindo a diminuir. A tua opinião aumentou um pouco mais a curiosidade.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá,
      Eu sempre quis muito ler e li críticas muito positivas, se bem que muita gente não gostou foi do final, agora resta-me saber é se o segundo livro está ou não ao nível do primeiro. :) Pode ser que até seja um livro que gostes.
      Beijinhos.

      Eliminar
  5. Ois,

    Bem fiquei com vontade de ler, volta e meia faz bem ler livros destes, que nos fazer sentir melhor, em agonia, no fundo que mexem com as emoções :)

    Bjs e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá,
      É mesmo, às vezes faz mesmo falta ler livros que mexem connosco. :)
      Beijinhos.

      Eliminar
  6. Tenho este livro na lista para ler há muito tempo... A tua opinião deixou-me com uma súbita vontade de o ler! xD
    P.s. Tenho uma colcha igual à tua!!
    Beijinhos e boas leituras!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá,
      É realmente um livro que vale a pena ler, eu pessoalmente gostei imenso dele e acho que dá para perceber isso na minha opinião. :)
      Se entretanto o leres, depois diz-me o que achaste!
      Ahaha, a sério? Estas colchas são super giras.
      Beijinhos.

      Eliminar
  7. Este livro foi, com toda a certeza, um dos que mais gostei até hoje.
    No entanto, é com muita pena minha que afirmo que o mesmo já não posso dizer em relação à continuação.

    Beijinhos

    ResponderEliminar