quinta-feira, 31 de março de 2016

Opinião | Lobo solitário - Jodi Picoult

Olá! Hoje venho falar-vos do primeiro livro a que dou 5 estrelas este ano porque foi, definitivamente, uma leitura arrebatora, que me deixou de coração apertado e à qual não consegui ficar indiferente de modo algum.
Autor: Jodi Picoult
Data de publicação: 2016
Páginas: 408
ISBN: 9789722531566
Editora: Bertrand Editora
Sinopse: "Quando um lobo sabe que o seu tempo está a terminar e que já não é útil à sua alcateia, muitas vezes escolhe afastar-se. Morre assim afastado da sua família, do seu grupo, mantendo até ao fim todo o orgulho que lhe é próprio e mantendo-se fiel à sua natureza. Luke Warren passou a vida inteira a estudar lobos. Chegou inclusivamente a viver com lobos durante longos períodos. Em muitos sentidos, Luke compreende melhor as dinâmicas da alcateia do que as da sua própria família. A mulher, Georgie, desistiu finalmente da solidão em que viviam e deixou-o. O filho, Edward, de vinte e quatro anos, fugiu há seis, deixando para trás uma relação destroçada com o pai. Recebe então um telefonema alarmante: Luke ficou gravemente ferido num acidente de automóvel com Cara, a irmã mais nova de Edward. De repente, tudo muda: Edward tem de regressar a casa e enfrentar o pai que deixou aos dezoito anos. Ele e Cara têm de decidir juntos o destino do pai. Não há respostas fáceis, e as perguntas são muitas: que segredos esconderam Edward e Cara um do outro? Haverá razões ocultas para deixarem o pai morrer… ou viver? Qual seria a vontade de Luke? Como podem os filhos tomar uma decisão destas num contexto de culpa, sofrimento, ou ambos? E, sobretudo, terão esquecido aquilo que todo e qualquer lobo sabe e nunca esquece: cada membro da alcateia precisa dos outros, e às vezes a sobrevivência implica sacrifício. Lobo Solitário descreve de forma brilhante a dinâmica familiar: o amor, a proteção, a força que podem dar, mas também o preço a pagar por ela."

Opinião: Sabem aquela sensação de terminarem um livro e precisarem de uns minutos para respirarem fundo? Isso aconteceu-me com este livro de tão arrebatador que ele se revelou.
    Ainda só tinha tido oportunidade de ler um livro de Jodi Picoult – Frágil -, mas isso já foi há uns aninhos, mas recordo-me do quanto gostei dele na altura. Ao que parece esta autora tem o dom de escrever sobre temas polémicos e pouco abordados, levando qualquer leitor a questionar-se constantemente sobre determinadas questões e só por isso ela já é uma grande autora.
    Este livro conta-nos a história de Luke Warren que desde cedo revelou a sua paixão por animais, acabando por dedicar a sua vida profissional a estudar a vida dos lobos em alcateia, os seus comportamentos, acabando por mostrar-nos o quão parecidos com o ser humano eles podem ser em determinadas alturas. Com uma carreira brilhante, Luke embrenha-se de tal forma na sua vida profissional que acaba por esquecer-se um pouco dos seus deveres para com a sua família. O seu papel como pai e homem daquela família nunca é desempenhado devidamente. A sua passagem por casa limita-se a suprir as suas poucas necessidades básicas como comer qualquer coisa, tomar um duche e pouco mais, uma vez que ele se sente mais feliz a viver como um lobo numa alcateia. Esta ausência constante acaba por revelar-se devastadora para esta família, acabando por destrui-la como seria inevitável que acabasse por acontecer mais tarde ou mais cedo.
    Luke é casado com Georgie e ambos tiveram dois filhos: Edward que passa a sua infância a tentar agradar ao pai, mas é tão distinto do mesmo que isso revela-se difícil de concretizar e os momentos felizes entre pai e filho são de facto escassos e, depois temos Cara uma jovem determinada que é o elemento da família mais próximo do pai, acabando por decidir viver com o mesmo quando a mãe refaz a sua vida com outro homem e tem gémeos. Estes dois irmãos são como duas faces da mesma moeda ainda que muitos distintos: Edward saiu de casa aos 18 anos após uma grave discussão com o progenitor, contudo a natureza da mesma permanece em segredo durante grande parte do livro e Cara é feliz a acompanhar a vida do pai ainda que este seja um pai algo ausente.
    Esta dinâmica familiar é deveras complicada e a maioria do livro decorre a mostrar-nos como esta família poderá ou não reconstituir-se aos poucos se os seus elementos forem cedendo parte a parte.
    Tudo se desenrola após Cara e o pai terem um acidente de automóvel em que ela sai com pequenas mazelas e o pai entra em coma ficando praticamente em estado vegetativo. Georgie resolve ligar ao filho que regressa de imediato a casa, sendo a única que legalmente pode opinar sobre o que se deve ou não fazer com o pai, sendo que Cara ainda está a uns meses de se tornar maior de idade. É importante salientar que ele se encontra permanentemente em desacordo com a irmã mais nova que desde o início se agarra às poucas probabilidades que existem para o pai melhorar, uma vez que todas as probabilidades jogam contra ele. A probabilidade dele melhorar é algo como 1% para 100%, por isso só com um milagre é que isso aconteceria e milagres não acontecem a todos, infelizmente.
    Este livro levanta uma série de questões morais e éticas que nos fazem questionar o que é que nós faríamos naquela mesma situação, mas a verdade é que é difícil mantermos a cabeça fria quando algo de tão sério acontece com alguém que nos é tão próximo e querido apesar de todos os seus defeitos. Decidir o que fazer com o futuro de alguém é algo ingrato diria eu porque ficamos sempre com aquela dúvida se fizemos ou não o certo e faz-nos questionar o que queríamos que fizessem se fôssemos nós do outro lado. Basicamente, este livro faz-nos ver as coisas de todos os primas possíveis. Ainda me questiono como seria se o Luke tivesse tido uma segunda oportunidade, se iria ou não redimir-se perante a sua família e talvez compensá-los por todos os anos de ausência e quem sabe ser uma pessoa humanamente mais afetiva para aqueles que lhe são próximas. Sinceramente quero acreditar que se essa segunda oportunidade tivesse acontecido era assim que ele teria agido porque é isso que faz com que me sinta melhor após a leitura deste maravilhoso livro.
    O livro é narrado por vários pontos de vista e capítulo sim, capítulo não, é o Luke o narrador e vai-nos mostrando e revelando as suas descobertas com os lobos e depressa nos apercebemos das semelhanças destes com uma família. Aquela necessidade de cada um desempenhar o seu papel no seio familiar e de juntos protegerem-se de tudo e todos. 
    Dito isto, concluo apenas dizendo que nem sempre temos direito a escrever o nosso último capítulo e a ditar como queremos que seja a nossa partida. De certa forma devemos agarrar-nos com unhas e dentes à vida porque esta é curta demais para nos fazermos acompanhar com ressentimentos e, infelizmente, nem todos temos direito a segundas oportunidades para podermos remediar os nossos erros e dizermos aqueles que nos rodeiam o quanto gostamos deles.
    Para mim foi inevitável não dar as 5 merecidas estrelas a este livro, uma vez que gostei tanto dele e ele aborda um tema tão importante.
"Por outras palavras, aquilo que parece cruel e impiedoso visto de um determinado primas, visto de outro pode ser a única maneira de proteger a nossa família."
Pág. 189
Classificação: 

Playlist: 
E vocês, são fãs desta autora?

sábado, 26 de março de 2016

Random #7

Olá! Passei por cá só mesmo para vos desejar uma boa Páscoa, que a passem na companhia daqueles que mais gostam e, com algumas amêndoas e leituras à mistura para tornar esta época festiva mais doce e feliz!

quinta-feira, 24 de março de 2016

Random #6

Olá! Hoje venho com um post ligeiramente diferente do habitual depois de uma semana muito parada por estes lados.
Sabem aquele sentimento de que o vosso dia deveria ter 48h para poderem fazer tudo aquilo que precisam e querem? Nos últimos tempos tenho-me sentido assim, sempre a desejar ter mais tempo para terminar isto ou aquilo e também mais disposição e menos cansaço, verdade seja dita.
Já esperava que o mês de Março fosse caótico, porque entretanto comecei a trocar de turno no trabalho e virou-se tudo de pernas para o ar, literalmente.
Isto tudo só para dizer-vos que esse é o motivo pelo qual o blog tem estado tão parado e não consigo ler tanto quanto gostaria. Ultimamente leio meia dúzia de páginas antes de adormecer e pouco mais.
Para a semana vou tentar aproveitar o dia da minha folga para pôr as coisas aqui no blog em dia e atualizar-me nos vossos cantinhos, até lá espero passar ainda por cá para desejar-vos uma feliz Páscoa.
Quanto a vocês aproveitem este fim-de-semana prolongado se for o caso e façam-se acompanhar de boas leituras como sempre.

terça-feira, 15 de março de 2016

Novidade | Lobo solitário

Olá! Hoje não era dia de post, mas como tenho uma mega novidade por isso decidi passar por cá apenas para partilhá-la com vocês.
Autor: Jodi Picoult
Data de publicação: 2016
Páginas: 408
ISBN: 9789722531566
Editora: Bertrand Editora
Sinopse: "Quando um lobo sabe que o seu tempo está a terminar e que já não é útil à sua alcateia, muitas vezes escolhe afastar-se. Morre assim afastado da sua família, do seu grupo, mantendo até ao fim todo o orgulho que lhe é próprio e mantendo-se fiel à sua natureza. Luke Warren passou a vida inteira a estudar lobos. Chegou inclusivamente a viver com lobos durante longos períodos. Em muitos sentidos, Luke compreende melhor as dinâmicas da alcateia do que as da sua própria família. A mulher, Georgie, desistiu finalmente da solidão em que viviam e deixou-o. O filho, Edward, de vinte e quatro anos, fugiu há seis, deixando para trás uma relação destroçada com o pai. Recebe então um telefonema alarmante: Luke ficou gravemente ferido num acidente de automóvel com Cara, a irmã mais nova de Edward. De repente, tudo muda: Edward tem de regressar a casa e enfrentar o pai que deixou aos dezoito anos. Ele e Cara têm de decidir juntos o destino do pai. Não há respostas fáceis, e as perguntas são muitas: que segredos esconderam Edward e Cara um do outro? Haverá razões ocultas para deixarem o pai morrer… ou viver? Qual seria a vontade de Luke? Como podem os filhos tomar uma decisão destas num contexto de culpa, sofrimento, ou ambos? E, sobretudo, terão esquecido aquilo que todo e qualquer lobo sabe e nunca esquece: cada membro da alcateia precisa dos outros, e às vezes a sobrevivência implica sacrifício. Lobo Solitário descreve de forma brilhante a dinâmica familiar: o amor, a proteção, a força que podem dar, mas também o preço a pagar por ela."


A Bertrand Editora​ promoveu um passatempo no facebook em que escolheu 7 blogues vencedores que serão blogues oficiais e parceiros para o lançamento do novo livro de Jodi Picoult, "Lobo solitário".
O Sabores e Dissabores literários foi um dos felizardos, por isso além de receber um exemplar para futura opinião aqui no blog, também irei promover um passatempo em parceria com a Bertrand Editoria, por isso também um de vocês terá a oportunidade de ganhar um exemplar, por isso fiquem atentos que em breve trago novidades.

segunda-feira, 14 de março de 2016

Opinião | A 5ª vaga - Rick Yancey

Olá! Hoje é dia de opinião de um livro que inicia uma trilogia com o mesmo nome, a 5ª vaga. Li este livro em Fevereiro já com a expectativa de ver o filme, contudo ainda não foi em Fevereiro que consegui fazê-lo, mas espero que não passe de Março.
Nome: A 5ª vaga
Autora: Rick Yancey
Editora: Editorial Presença
Edição/reimpressão: 2014
ISBN: 9789722352529
Páginas: 400
Sinopse: "A 5ª Vaga, o volume que dá início à trilogia com o mesmo nome, é uma obra-prima da ficção científica moderna. É um épico extremamente original, que nos apresenta um cenário de invasão extraterrestre do planeta Terra como nunca antes foi escrito ou sequer imaginado. Nesta narrativa assombrosa, uma nave extraterrestre fixa-se na órbita da terra, à vista de todos mas sem estabelecer qualquer interação. Até que, subitamente, uma gigantesca onda eletromagnética desativa todos os sistemas da Terra, e todas as luzes, comunicações e máquinas deixam de funcionar. A esta primeira vaga seguem-se outras, num crescendo de violência que devasta grande parte da humanidade. Será este o fim da existência humana sobre a Terra? Haverá ainda alguma salvação possível? Um thriller de alta voltagem, com todos os ingredientes para se tornar um grande clássico da literatura fantástica universal."

Opinião: Este livro conta-nos a história de Cassie, uma miúda de 16 anos, que de um dia para o outro vê a sua vida mudar drasticamente à semelhança do que acontece com o resto da humanidade. Isto acontece quando o planeta Terra é invadido por extraterrestres ou “Os outros”, como Cassie lhes chama ao longo do livro, uma vez que eles nunca se revelam a ninguém, sendo deste modo a sua fisionomia desconhecida. Eles limitaram-se a manter a nave mãe no céu de forma a que todos os humanos a vejam e saibam que estão a ser vistos permanentemente.
    Entretanto vão surgindo várias vagas que têm sempre como objetivo dizimar e diminuir o número de habitantes na Terra. A 1ª vaga é quando uma enorme onda electromagnética desativa todos os aparelhos e sistemas da terra, a 2ª vaga surge quando existem ondas mais altas, a 3ª vaga que é muita vezes referida como pestilência, consiste numa doença que é transmitida pelos pássaros e atinge grande parte da população e, por fim dá-se a 4ª vaga que é os silenciadores. Depois destas quatro vagas a humanidade fica dizimada em 97%, ou seja, os sobreviventes são realmente poucos. A 5ª vaga fica à descoberta do leitor à medida que a leitura se vai desenrolando.
    Cassie levava uma vida normal, mas depois deste sucedido acaba por ver ambos os progenitores morrer debaixo do seu nariz e assiste a partida do irmão que afirmam que vai partir para um local melhor e mais seguro. Para trás fica uma promessa feita por Cassie que vai ser aquilo que vai movê-la voltar a reencontrar-se com o irmão. Pelo caminho Cassie cruza-se com Evan Walker, uma personagem altamente misteriosa e que depressa ensina a Cassie tudo o que ela precisa de saber para sobreviver. 
   O grande fator desta história, além da identidade desconhecida dos extraterrestres, é definitivamente os nossos personagens que têm os seus caminhos constantemente cruzados uns com os outros de uma forma credível e soberba. São eles quem contribui e muito para o facto desta obra ser tão boa e são surpreendente para o leitor. E é a partir daqui que o auge da história surge e se desenrola. 
    De todas as personagens gostei particularmente do irmão de Cassie, o pequeno Sam que é obrigado a crescer mais depressa do que aquilo que é expectável, mas também gostei de Cassie que é aquela personagem que está mais presente em toda a história porque partilha constantemente connosco o que está a acontecer e como é que ela se sente perante isso.
    Apesar de tudo devo confessar que aquele final deixou-me com um gosto agridoce na boca porque depois de tudo aquilo que o Evan passou acabamos por não saber se ele se encontra vivo ou não (tenho as minhas desconfianças, mas o facto de o final deixar essa pergunta no ar já me deixa triste).      E depois aquele triângulo amoroso no final, por favor é de deitar as mãos à cabeça, contudo achei engraçada a forma como ela reencontrou a sua crush do liceu depois de todas as variáveis improváveis.
    O que mais me surpreendeu foi o facto de o livro não ter só um ponto de vista, mas sim três. A primeira vez que o livro muda para um narrador diferente este não nos é identificado, desde o princípio percebemos que não se trata de Cassie, mas não é logo de imediato que percebemos de quem se trata realmente e isso para mim é fenomenal. Manter aquele factor surpresa que nos deixa agarrados aos livros e neste caso, nos permite conhecer de forma mais aprofundada os vários personagens.
    Pessoalmente gostei muito deste livro, se inicialmente achei a narrativa um tanto lenta demais, a partir da página cento e pouco as coisas melhoraram e começaram a tomar um rumo que nos deixa sempre com aquele desejo de saber mais e mais. A escrita de Rick Yancey é muito cativante porque consegue descrever-nos na perfeição o que está a acontecer sem se tornar em momento algum maçador.
"Costuma dizer-se que a verdade nos liberta. Não acreditem nisso. Às vezes a liberdade põe-nos numa cela e tranca-nos a mil chaves."
Pág: 274
Classificação: 
E vocês já leram ou querem ler esta trilogia?

sexta-feira, 11 de março de 2016

Blog | 1º aniversário

Olá! Isto não anda fácil e a prova disso foi a semana parada que o blog teve. Eu tenho várias opiniões em atraso, algumas ainda de 2015, mas o tempo tem sido tão escasso que ainda nem consegui terminar nenhuma leitura durante este mês. Mas leituras à parte, hoje venho é falar-vos do primeiro aniversário do blog, ele fez um ano no dia 3, mas como não consegui passar por cá antes, resolvi vir agora ainda que atrasada.
E já passou um ano desde que criei o blog, passou a correr, diria eu. Pensei que o aniversário do blog estivesse ainda longe mas quando fui ver os posts mais antigos apercebi-me de que ele fez o 1 ano no passado dia 3 de Março.
Confesso que o tempo passou rapidíssimo e não contava que o blog crescesse tanto neste curto espaço de tempo, mas isso deve-se tudo a vocês que seguem o blog e a todas as editoras parceiras do blog às quais agradeço imenso o voto de confiança que depositam no blog, assim como agradeço a todos vocês por estarem e continuarem desse lado.
Entretanto posso desde já adiantar-vos que vai haver passatempo alusivo ao aniversário do blog, espero conseguir lançá-lo ainda este fim-de-semana se o tempo assim o permitir.



sexta-feira, 4 de março de 2016

Opinião | Espero por ti - Jennifer Armentrout

Olá! Hoje é dia de uma opinião de um livro do qual gostei bastante, acabando por fazer parte do meu Top 5 de 2015.
Nome: Espero por ti
Autora: Jennifer Armentrout
Editora: 5 sentidos
Edição/reimpressão: 2014
ISBN:  978-972-0-04627-7
Páginas: 352
Sinopse: "Candidatar-se a uma faculdade a centenas de quilómetros de casa foi a única forma que Avery Morgansten, de dezanove anos, encontrou para fugir ao acontecimento fatídico que, cinco anos antes, mudara a sua vida para sempre. No entanto, quando se cruza com Cameron Hamilton, um colega mais velho, com um metro e oitenta de altura e uns olhos capazes de derreter qualquer uma, o seu mundo estilhaça-se por completo. Envolver-se com ele é perigoso, mas ignorar a tensão entre os dois parece impossível.
Até onde estará Avery disposta a ir e o que fará para esquecer o passado e viver aquela relação intensa e apaixonada, que ameaça ruir todas as suas certezas e dar-lhe a conhecer um mundo de sensações que julgava estarem-lhe negadas para sempre?"

Opinião: Este é daqueles livros que eu tinha quase a certeza de que não me desiludiria, há imenso tempo que estava na minha wishlist e depois de ver o ebook a metade do preço, decici que seria a oportunidade ideal para o adquirir e poder finalmente lê-lo.
    Este livro conta-nos a história de Avery Morganten, uma adolescente de 19 anos, que está prestes a entrar na Universidade mais longínqua possível da sua casa como forma de manter-se bem longe da mesma e tentar esquecer alguns acontecimentos do seu passado e fugir aos insultos e perseguições de que era constantemente alvo na sua antiga cidade.
    Filha de pais bem sucedidos na vida, ricos, mas tão frios e distantes que até faz impressão, Avery sente que precisa de começar um caminho novo sozinha, uma vez que nem os seus pais se dispõe a ajudá-la nesta nova caminhada. Este foi um ponto bem pertinente que a autora optou por abordar nesta história, porque certamente que retrata a realidades de muitos jovens: a ausência dos pais que dão mais valor à sua classe social do que ao bem estar dos próprios filhos.
    Logo no primeiro dia de aulas Avery cruza-se com Cameron Hamilton, um dos rapazes mais populares da Universidade e capaz de derreter qualquer coração feminino, até mesmo o coração ferido de Avery se derrete ligeiramente naquele primeiro encontro.
    Os dois acabam por desenvolver e construir uma amizade que vai ganhando contornos de algo mais sério do que aquilo que eles querem admitir. Esqueçam todo o cliché de rapariga tímida com o ego ferido que se apaixona pelo rapaz mais conhecido da escola, este livro é claramente mais do que isso. Vai tão além disso que em momento algum ponderei colocar a palavra cliché nesta opinião.
    O ritmo em que as coisas vão avançando é maravilhoso, a autora soube perfeitamente como fazer as coisas na altura e medida certa sem apressar nada nem ninguém. Cameron é muito mais do que o rapaz mais popular, é um rapaz também ele com as suas feridas e com um passado com que não contamos, contudo somos incapazes de tecer quaisquer julgamentos. Avery embora tenha tido também ela um passado muito marcado pela dor, permite-se dar-se a conhecer a Cameron e vice-versa, mas muitas são as vezes que dá um passo à frente e dois atrás devido aos receios que ainda a preenchem.
    Estas foram duas personagens pelas quais é quase impossível não nos apaixonarmos num primeiro momento, ambas nos mostram como todos somos feitos de coisas boas e menos boas e, de como devemos procurar ultrapassar os erros cometidos, mas acima de tudo o passado.
  Se avaliarmos todo este livro facilmente nos apercebemos que este retrata assuntos bem interessantes e pertinentes: mostra-nos como o contexto familiar – sendo bom ou mau, acabando por nos revelar ambos os lados – pode marcar um adolescente, fala-nos do bullying e de outras tantas coisas que não posso revelar por ser spoiler.
    A escrita da autora, embora sem grande floreados, foi outro ponto muito positivo para mim. É uma escrita que nos faz sentir tão próximos das personagens quanto possível, existe até momentos em que é inevitável não sofrermos também com elas.
    Definitivamente esta foi uma leitura de cinco estrelas e que aconselho a qualquer fã de New Adult.
Só há uma coisa que me intrigou neste livro e que quero referir para não existirem mais pessoas a pensar o mesmo que eu. Aquela bolinha vermelha no canto superior da capa do livro induz muitos leitores a erro, este livro é sem sombra de dúvidas um new adult pelo que tem algumas cenas de sexo, mas acreditem em mim quando são menos do que aquelas que faz crer quando vimos a bola e ainda bem, porque o conteúdo do resto do livro é muito melhor. Há livros bem mais explícitos e com bem mais cenas de sexo do que este, leia-se livros do género erótico, e que não têm aquela bolinha, então achei de alguma forma desnecessária a mesma, mas pronto, pormenores.

Classificação: 

Playlist: 

terça-feira, 1 de março de 2016

Resultado | Passatempo "O bom ditador"

Olá! Uma vez terminado o passatempo que estava a decorrer no blog, hoje é dia de revelar as vencedoras. 

No total o passatempo contou com 21 participantes, sendo que cada um podia ter até 3 entradas, o total de participações válidas foi 55. Fiquei muito contente por ver que a maioria aproveitou as três entradas que tinham à disposição, porque mais uma vez gosto de disponibilizar várias entradas para que tenham mais possibilidades de ganhar.

Vencedores: Teresa Ávila e Nicole Azevedo. Parabéns às duas vencedoras! 

Aproveito para deixar, mais uma vez, o meu agradecimento ao autor Gonçalo porque sem ele este passatempo não seria possível e a todos os restantes participantes. Fiquem de olho porque mais passatempos virão!



Resumo mensal | Fevereiro

Olá! O mês de Fevereiro para mim passou a correr e infelizmente, teve o mesmo caminho que o mês de Janeiro ou pior, fraco em leituras e muito escasso no que diz respeito a filmes e séries. Já estou mentalizada de que Março vai ser sinónimo de mudanças na minha rotina, contudo espero conseguir fazer com que seja um mês mais rico, principalmente no que a leituras diz respeito.

Leituras

    
Este mês teve um início um tanto conturbado e muito fraco no toca a leituras, sendo que a minha primeira leitura do mês foi A 5ª vaga (4 ★) que, apesar de ter sido uma leitura demasiado arrastada devido à falta de tempo e por vezes preguiça, gostei muito. Depois decidi retomar a leitura dos livros da saga "Rosemary beach", sendo Tentação sem limites (3,5 ★) o segundo. Infelizmente só o primeiro é que foi editado em Porgual e como gostei tanto resolvi ler o resto da série em português do Brasil. Por fim, li Delírio (1 ★) que já vinha do mês passado, mas a minha vontade para pegar nele deixou de existir por isso tomei a liberdade de desistir simplesmente desta leitura, contudo sinto-me com coragem para ler o terceiro porque se foca na minha personagem masculina preferida de toda a série.
Entretanto tenho estas duas leituras ainda em andamento que espero terminar o mais rapidamente possível.

Aquisições

    
Eu tento não visitar sites online para não ver promoções, assim como tento não entrar na note it, mas não consigo resistir e depois dá nisto. Juntei o facto de o livro A redenção de Gabriel que encerra uma série e, que há muito queria estar muito em conta no site da Saída de Emergência ao facto de ter um vale de 5€ para descontar para comprar também Fangirl que queria adquirir desde o seu lançamento. Uma vez que o site tem a campanha 2=3 ainda trouxe de borla O império final. Desta forma tornou-se impossível resistir e acho que é fácil perceber porquê. Por fim, aproveitei a promoção da note it 1 livro=6€ e 3 livros=12€, por isso comprei Gostas do que vês?, O regresso do jovem príncipe e O ano em que não ia haver Verão.

 Recebidos

Ambos os livros foram solicitados por mim às editoras, tendo sido Corrupção solicitado à Guerra e Paz porque foi um livro que me chamou imenso à atenção pela sinopse e é um autor que queria muito ler e O meu nome é.. foi solicitado à editora Bizâncio que é nova parceira aqui no blog. Mais uma vez deixo o meu agradecimento a ambas pelo voto de confiança!

Filmes

Durante Fevereiro só consegui mesmo ver e porque apanhei a dar por acaso na televisão o filme Resident Evil 5 - Retribuição. Confesso que foram filmes que nunca me chamaram a atenção, mas até gostei deste e fiquei com vontade de ver o resto dos filmes, desde o início preferencialmente.

Séries


Em termos de séries limitei-me a continuar a ver Shadowhunters e Teen Wolf.
E vosso mês de Fevereiro como é que correu?